• 22 fevereiro

    Carnaval e Saúde

    Carnaval é sinônimo de folia para alguns e de descanso para outros. Indo para as ruas ou curtindo a folga em casa, cuidar da saúde é para todos. De acordo com a endocrinologista Tânia Bulcão, é fundamental não descuidar da alimentação para não ficar exposto às doenças sazonais.


    “É importante que tomem bastante líquido, como por exemplo o suco de laranja que tem vitamina C e ajuda a evitar essas viroses que costumam ter durante esses períodos sazonais”, aconselha.


    Com o calor intenso, beber bastante água evita a desidratação e aumenta o pique para brincar. “Tomar bastante água e também água de coco. Hidratação sempre, e evitar principalmente refrigerantes, bebidas alcoólicas”, diz a endocrinologista.


    A nutricionista Rochele Riquet alerta sobre o consumo de bebidas energéticas, especialmente para pessoas com problemas cardíacos e hipertensão. A cafeína é uma das substâncias que contém nos energéticos. Pode provocar arritmias, insônia, tremores, ansiedade, dores na cabeça, além de potencializar os efeitos do álcool.


    “O efeito da cafeína pode ocultar ainda mais o efeito do álcool, levar a pessoa a beber (consumir mais bebida alcóolica). Os reflexos são comprometidos, embora a pessoa ache que a cafeína está ajudando. Se beber não dirija, principalmente se tiver consumido bebidas energéticas. Vale ressaltar que o exagero, tanto de comida como o de álcool, não é saudável”, enfatiza.


    Pule carnaval, mas não pule as refeições

    Cuidados são essenciais para antes e depois da folia e também para aqueles que ficarão em casa. Segundo Tânia Bulcão, não pular as refeições é fundamental para garantir o descanso com saúde e disposição.


    “O mais importante é ficar atento a procurar fazer sempre as refeições importantes do dia como o café da manhã, almoço e jantar. Se a pessoa quiser, ela pode fazer mais que uma refeição, fica a critério dela, sempre respeitando o limite de cada organismo”, orienta a médica.


    A dica é beber bastante água e dar preferência a alimentos leves. “Às vezes, a pessoa esquece e acaba consumindo alimentos mais gordurosos e eles podem prejudicar a digestão, provocar ainda sono. Tudo que o folião pretende evitar no carnaval, que é sono, moleza e estufamento. Então, preferir alimentos mais leves”, explica a nutricionista Rochele.


    “Não esquecer dos vegetais que são super importantes para trazer as fibras e a reposição dos minerais e vitaminas, que são perdidos com as danças através do suor. Então, eles não podem ficar de fora”, complementa.


    Ela também lembra sobre manter a rotina de alimentação, comer de três em três horas. “Beber bastante líquido nesses intervalos para hidratar o corpo, principalmente com o calor que está fazendo. O carnaval vai passar, mas a nossa saúde é importante, ela permanece. Não é porque é carnaval, que a alimentação precisa ser diferente”, afirma a nutricionista.


    Atenção com as crianças

    A recomendação para os adultos é a mesma para as crianças. Evitar os exageros com doces e não consumir produtos industrializados. Uma alimentação equilibrada e um bom descanso ajudam a manter o pique das brincadeiras dentro e fora do carnaval.


    “As crianças devem evitar esses alimentos prontos, de origens suspeitas, excesso de gordura e fritura. Tem que ter uma comida mais cozida e nunca esquecer dos sucos e água. Pois é muito comum nessa época elas relaxarem, por isso tem que ficar em alerta”, diz a endócrino Tânia Bulcão.


    “A gente também não pode deixar de respeitar os horários, as quantidades de refeições que a criança já está habituada a consumir. Oferecer nas refeições um alimento de cada grupo. Então lembrar dos carboidratos, das proteínas, das vitaminas, minerais. Lembrar sempre de levar uma garrafinha da criança, possibilitando que ela tenha fácil acesso a essa garrafa”, acrescenta Rochele.


    Bebidas como água de coco, sucos de fruta naturais também são muito bem-vindas. Quando sair para a folia, não esquecer de frutas e biscoitos integrais. “Os lanches também podem compor com tapioca, milho cozido, pipoca. A criança não pode fugir da rotina alimentar dela”, conclui a nutricionista.

    Voltar